Chad Kampe da Flip Phone se tornou o rei das festas drag-queen das Cidades Gêmeas

Com uma centena de titulares de ingressos alinhados do lado de fora, Sasha Cassadine tinha um brilho nos olhos que combinava com as luzes do espelho do camarim e as lantejoulas do vestido inspirado em Whitney Houston que ela estava prestes a vestir.

'É ótimo simplesmente estar fora de casa de novo, ponto final, e mais ainda fazer isso', disse a co-estrela do Tina + Whitney Drag Brunch no restaurante Crave no centro de Minneapolis no mês passado.

Ela não ficou surpresa com a grande participação pós-COVID: 'Acho que estamos entrando em uma nova era de abertura. E loucura. '

preço do tapume shou sugi ban

Qualquer pessoa que esteja se perguntando se as pessoas estão prontas para a festa novamente deve verificar a programação de Flip Phone Events , a produtora por trás deste brunch.

O dono do Flip Phone Chad Kampe - vestindo uma camisa floral e shorts que caberia no cruzeiro 'Golden Girls' pelo Caribe que ele realizará no próximo inverno - pairou sobre seu telefone ao lado da cabine do DJ, listando todos os eventos que o mantinham e sua lista de artistas ocupados este Verão.

Três festas no Treasure Island Casino em Red Wing. Uma segunda noite de diversão no Macy's Walnut Room em Chicago. Dezenas de mais brunches nos restaurantes Crave e Union. E o mais significativo, um caso de duas noites na sexta e no sábado na First Avenue para Orgulho das cidades gêmeas final de semana.

O clube essencialmente confiou a Kampe - um ex-professor que se tornou uma estrela da vida noturna LGBTQ de Twin Cities - para planejar seus primeiros eventos de capacidade total desde março de 2020. O recente vencedor de 'RuPaul's Drag Race' Symone é o título deste sábado.



'E pensar que tudo isso começou com uma festa dançante no Honey para 75 pessoas', Kampe, 39, falou em um estilo que lembra sua persona drag, uma comediante judia digna de Catskills chamada Joy Veh.

'Estratégico e compassivo'

Circunstâncias tristes levaram Kampe a planejar o evento pela primeira vez em 2012. Ele prestou homenagem a um amigo que morreu em um acidente com uma festa dançante no agora fechado bar de Northeast Minneapolis Honey, uma noite carregada de canções de Mariah Carey e outros dos anos 90 e 2000 Êxitos de R&B e pop que ele e seu amigo adoravam.

Daí o nome do evento: os telefones Flip estavam tão em voga quanto a En Vogue naquela era pré-iPhone.

Conforme suas festas cresciam em popularidade, Kampe começou a incorporar drag queens cada vez mais. Ele se apaixonou por drag shows aos 14 anos, quando sua avó Mildred, na área de Miami, convenceu toda a família a assistir a um show de drag em South Beach.

'Eu me diverti muito, mas também fiquei impressionado com a aceitação do ambiente', ele contou.

Centenas de eventos depois, Kampe se estabeleceu como um organizador confiável e homem de negócios astuto. Um excelente exemplo: quando a pandemia continuou a obstruir seus eventos normais no outono passado, ele se concentrou no planejamento dos tours de Halloween do Deadly Drive-In no estacionamento do shopping Rosedale.

Aqueles shows sangrentos deu a alguns de seus artistas regulares um trabalho muito necessário, embora em trajes muito diferentes.

“Alguns deles se envolveram”, observou ele com alegria.

Uma pessoa regular, Tygra, disse que Kampe se tornou uma espécie de zelador dos artistas drag das Cidades Gêmeas. Eles apontaram para eventos online que o Flip Phone organizou durante a quarentena que lhes rendeu salários decentes.

'Ele é estratégico, adaptável e compassivo', disse Tygra. 'Ele adora estar no negócio do entretenimento e adora levar a comunidade [LGBTQ] mais para o mainstream e fazer com que todos se sintam bem-vindos.'

O promotor do Flip Phone, Chad Kampe, repassou os pedidos de músicas para Sasha Cassadine. ANTRANIK TAVITIAN • anto.tavitian@startribune.com O promotor do Flip Phone Chad Kampe repassou os pedidos de músicas para Sasha Cassadine.

Encontrando novos caminhos

Kampe disse que sente um 'profundo afeto' pela cena LGBTQ de Twin Cities porque isso o fez se sentir amado e consolado quando ele se assumiu aos 20 anos, depois de se mudar para cá para estudar no Macalester College após uma infância passada principalmente na pequena cidade de Massachusetts.

Desde aquela primeira festa no Honey, no entanto, muito de seu foco tem sido na organização de eventos LGBTQ em locais que não são estritamente vistos como espaços LGBTQ.

Não que ele tenha algo contra bares gays. 'Há um outro tipo de energia maravilhosa quando fazemos uma noite no Saloon', disse ele. Ele simplesmente gosta de ultrapassar os limites de onde esses eventos podem ser realizados e quem pode ir.

pj fleck row a história do barco

“Muitos jovens têm muito mais grupos mistos de amigos hoje em dia, gays e heterossexuais, então é bom estar em lugares onde todos se sintam bem-vindos. E, felizmente, também há muitos outros lugares que são bem-vindos para multidões LGBTQ. '

O exemplo mais recente e talvez o mais surpreendente veio em maio, quando o Treasure Island Casino apresentou seu primeiro drag show Flip Phone.

Embora a duradoura 'RuPaul's Drag Race' da TV tenha transformado os eventos de drag em Las Vegas, o cassino fica - digamos assim - bem longe de Las Vegas. A equipe de Treasure Island procurou especificamente os programas de Kampe para atrair grupos demográficos mais jovens e diversificados.

“É uma ótima maneira de alcançar novos públicos e aumentar o fator de entretenimento aqui”, disse Aaron Seehusen, gerente de relações públicas da Treasure Island, que sediará sua terceira festa Flip Phone em 15 de agosto.

A Primeira Avenida é outro paraíso relativamente surpreendente. Principalmente um local de rock - embora apoiasse por muito tempo a comunidade LGBTQ - o clube estava visivelmente sem pessoal para a grande multidão que compareceu à sua primeira festa lá em 2016.

“Chad trabalhou durante anos para construir o Flip Phone de um projeto paralelo ao que ele é agora”, aplaudiu a proprietária do First Ave, Dayna Frank. 'Ele tem a reputação de ser criativo, apaixonado, inclusivo e apoiador da comunidade - e ele dá as melhores festas da cidade.

'Não podemos imaginar uma maneira melhor de explodir as portas da First Avenue.'

Dólares e Dolly

Pela aparência do show da Tina + Whitney no mês passado, as rainhas do Flip Phone estavam extremamente satisfeitas em se apresentar novamente.

Eles trabalharam na sala de jantar do Crave como profissionais ousados, ganhando gorjetas de US $ 1 aos montes com cada música - da performance da estrela Gay dos anos 90 Cee Cee Russell de 'We Don't Need Another Hero' (no estilo 'Beyond Thunderdome' prateado minivestido) para a chorosa entrega de Sasha de 'I Will Always Love You' (em um vestido de baile de lantejoulas cor de pêssego).

Os shows de brunch geralmente são realizados nos pátios do telhado Crave ou Union com vista para a Avenida Hennepin. Eles normalmente vendem também, a US $ 16 por pessoa e com três shows / assentos por dia (10h-15h).

o que as bruxas fazem no halloween

Sentados perto do palco em uma mesa perto da janela (eles se alinharam cedo), Nicole Schladt e Sharon Salonek convidaram amigos de fora da cidade depois de trazer a mãe e a irmã de Schladt para um show anterior.

'Foi o primeiro evento LGBTQ a que eles compareceram, e eles se divertiram muito', disse Schladt, que se tornou fã do Flip Phone por meio do apoio mútuo de OutFront Minnesota , um beneficiário frequente dessas partes.

“Eles fazem com que todos se sintam confortáveis, seja você hétero, mais jovem, mais velho, de Minneapolis ou de outro estado. A diversidade nos shows é realmente inspiradora. '

Kampe foi inspirado pelo sucesso de seu recente evento em Chicago para expandir essa vibração diversificada para outras cidades. Como se ele não tivesse o suficiente acontecendo localmente.

Ele ainda é principalmente uma operação de um homem só. Alguns artistas e DJs contribuem com tarefas de bastidores. O marido de Kampe também, Matt, que também trabalha com educação.

O casal mora em uma casa de design exclusivo ao longo da East River Parkway junto com seu pequeno terrier Dolly Barkin ', uma adoção de quarentena.

Kampe disse que o bloqueio do COVID renovou seu apreço por trocar seu bom emprego em uma escola judaica por um trabalho que lhe dá ainda mais satisfação pessoal.

'Meu principal objetivo é realmente espalhar alegria e fazer as pessoas se sentirem bem consigo mesmas, que é a essência do entretenimento drag', disse ele. 'Não consigo pensar em uma época da minha vida que tenha parecido mais importante do que agora.'

Chris Riemenschneider • 612-673-4658

• @ChrisRstrib

Próximos eventos Flip Phone
Orgulho XXL: 21:00 Sex. & Sentado. (ambos esgotados), First Avenue, Mpls., $ 16.
Drag Brunch dos anos 90: 10h00 - 17h00 Sábado, telhado da União, Mpls., $ 16.
Casino Treasure Island: 15 de agosto, $ 50.
Flip Phone XXL: Shorts curtos: 28 de agosto com Denali, $ 16- $ 20.
Cruzeiro Golden Fans at Sea: De 3 a 8 de janeiro, Princess Cruises, $ 1.380 ou mais.
Ingressos: Flipphoneevents.com